A busca por nomes da direita para as eleições de 2026 se intensifica com a saída de Bolsonaro

Notícias Políticas

Aliados políticos de Jair Bolsonaro (PL) estão considerando a possibilidade de nomes como o governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), e o governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), como potenciais candidatos de direita à Presidência nas eleições de 2026. Além disso, o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), e a ex-ministra da Agricultura Tereza Cristina (Progressistas) também são mencionados como opções viáveis.

Em uma entrevista exclusiva ao O TEMPO, Bolsonaro comentou que Zema seria uma boa alternativa para as eleições de 2030, mas não para 2026, expressando seu respeito pelo governador e reconhecendo seu potencial. Ele destacou que fez tudo o que pôde por Zema em benefício do estado e que o vê como uma pessoa de prestígio com todo o direito de aspirar a cargos mais altos.

Fonte: O Tempo


Ricardo Salles (PL), deputado federal por São Paulo e ex-ministro de Bolsonaro, destacou que Romeu Zema e Tarcísio de Freitas são os nomes mais fortes entre os mencionados, porém ressaltou que a decisão de uma candidatura de direita sem o ex-presidente como cabeça de chapa precisa ser amadurecida. Salles declarou que o nome será escolhido por Bolsonaro, caso a direita não o tenha como candidato.

Por outro lado, Zé Santana (PL), atual presidente estadual do partido e futuro presidente de honra, considera prematuro levantar nomes que possam substituir Bolsonaro na disputa eleitoral. Ele defende que a política tem seu momento certo e acredita que o partido, juntamente com as lideranças expressivas do Brasil, escolherá o melhor caminho para 2026. Santana enfatizou que aqueles que expressam opiniões contrárias estão se precipitando.

Domingos Sávio (PL), deputado federal que substituirá Santana na liderança estadual do partido, ponderou que Zema, Tarcísio e Leite são pessoas com preparo e credibilidade, considerando-os potenciais candidatos em 2026. No entanto, a definição dos caminhos para que esses políticos se destaquem na corrida eleitoral será decidida no futuro.

Fonte: Globo

“É um processo que ainda está por vir. O mais importante, além do nome a ser escolhido, é que a direita, o sentimento liberal democrático, está consolidado no Brasil e terá um representante contra a esquerda nas próximas eleições. No momento, é isso que precisamos preservar”, concluiu.

Durante uma coletiva de imprensa no 22º Fórum Empresarial Lide, realizado em Copacabana, Rio de Janeiro, os governadores Cláudio Castro (PL), do Rio de Janeiro, e Ronaldo Caiado (União), de Goiás, ambos próximos ao ex-presidente Bolsonaro, defenderam a centralidade da figura de Bolsonaro como a principal liderança da direita brasileira, porém ponderaram que em 2026 ele deveria ser um “cabo eleitoral conservador”, em vez de candidato.

A conversa ocorreu na quinta-feira (29), antes do término do julgamento no TSE. Caiado reforçou que o ex-presidente pode ser ainda mais importante agora do que se estivesse elegível. Ele destacou que um candidato à Presidência que obteve 49% dos votos tem uma grande quantidade de seguidores, que sentirão uma sensação de injustiça com a decisão.