Esquiva Falcão, abalado, desabafa após derrota em luta por título mundial: “Não paro de chorar”

Notícias Do Mundo

Após a derrota em sua luta pelo título mundial dos médios da IBF, Esquiva Falcão encontra-se a caminho dos Estados Unidos, fazendo uma parada antes de retornar ao Brasil. O pugilista brasileiro não conseguiu trazer na bagagem o cobiçado título, tendo sido derrotado nos pontos pelo alemão Vincenzo Gualtieri no último sábado, na cidade de Wuppertal, na Alemanha. O resultado deixou Esquiva abalado, e ele expressou sua emoção dizendo: “Não paro de chorar”.

Fonte: Globo Esporte

Através de suas redes sociais, Esquiva Falcão, de 33 anos, expressou sua tristeza com o resultado da luta e manifestou sua insatisfação com a postura do adversário e com a arbitragem ao longo dos 12 rounds. Em publicações no Instagram, o lutador agradeceu a todos que torceram por ele e mencionou seus patrocinadores e equipe. Ele revelou sua surpresa com o resultado e confessou que não conseguia parar de chorar, ressaltando que nem ele nem sua equipe esperavam por essa derrota. Esquiva optou por não culpar ninguém, afirmando que apenas ele e Deus sabem o que passou. Ele agradeceu ao Brasil e encerrou desejando uma boa noite.

Enquanto aguardava seu embarque da Alemanha para os Estados Unidos, Esquiva compartilhou mais informações sobre o confronto em seus stories, criticando a conduta antidesportiva de Gualtieri.

O lutador expressou sua tristeza com as atitudes do adversário, mencionando que ele frequentemente usava ombro no rosto, golpeava na nuca e atingia abaixo da linha da cintura, desrespeitando as regras. Esquiva também criticou o árbitro por não advertir o adversário ou puni-lo com a perda de pontos. Além disso, ele mencionou que quando foi derrubado por um golpe ilegal, o árbitro iniciou uma contagem a seu favor.

Fonte: Globo


No início do segundo round, Gualtieri acertou um gancho de esquerda no queixo de Esquiva, fazendo com que o lutador dobrasse os joelhos. Esquiva admitiu que sentiu a potência do golpe do adversário. No entanto, ao longo da luta, ele também sofreu dois golpes baixos, um no sétimo round e outro no décimo round.

Esquiva ressaltou que, apesar do knockdown sofrido no segundo round, ele também recebeu golpes abaixo da linha de cintura, que foram extremamente duros, e o árbitro não tomou nenhuma atitude. Além disso, ele mencionou os golpes na nuca e o uso do ombro no queixo. O lutador expressou sua opinião de que o árbitro deve proteger todos os atletas em igual medida, em vez de favorecer apenas um lado por estar lutando em casa. Apesar da tristeza pela derrota, Esquiva afirmou que agora deseja retornar ao Brasil, reunir-se com sua família, amigos, filhos e esposa, pois momentos como esse fazem parte da jornada do esporte.