Lula assume a presidência do Mercosul com o desafio de concluir o acordo com a União Europeia

Notícias Políticas

Na manhã desta terça-feira (4), o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) assumirá a presidência rotativa do Mercosul, composto por Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai.

A transferência de liderança ocorrerá durante a 62ª reunião dos chefes de Estado do bloco, que será realizada em Puerto Iguazú, na Argentina. Nesse encontro, Lula assumirá a responsabilidade de conduzir as discussões e decisões do Mercosul pelos próximos seis meses, de acordo com as regras estabelecidas desde a criação do bloco em 1991.

Essa oportunidade de presidência representa um importante desafio para Lula, uma vez que um dos principais objetivos durante seu mandato será a conclusão do acordo entre o Mercosul e a União Europeia. Essa negociação, que já se arrasta há anos, busca promover a integração econômica e comercial entre os dois blocos, além de abrir novas oportunidades de cooperação e investimentos.

Fonte: Globo

Com a responsabilidade de liderar o Mercosul, Lula terá a missão de buscar consensos entre os países membros, superar obstáculos e impulsionar as negociações para a finalização desse acordo tão aguardado. Espera-se que sua experiência e habilidades diplomáticas contribuam para avanços significativos nessa empreitada, beneficiando não apenas os países do Mercosul, mas também fortalecendo as relações com a União Europeia e abrindo portas para novas oportunidades de comércio e desenvolvimento econômico.


A Venezuela, embora faça parte do Mercosul, encontra-se suspensa desde 2017. No entanto, o governo brasileiro tem defendido a reintegração do país ao grupo.

A reunião que ocorrerá nesta terça-feira marca o encerramento do mandato do governo argentino, que decidiu sediar a cúpula na região da tríplice fronteira, envolvendo Brasil (Foz do Iguaçu) e Paraguai (Cidade do Leste).

Fonte: Infomoney

Além disso, no segundo semestre de 2023, o Brasil assumirá a presidência do G20, que é composto pelas principais economias do mundo, e também do Conselho de Segurança das Nações Unidas. Essas designações conferem ao país um papel de destaque na arena internacional, proporcionando oportunidades para liderar discussões e tomar decisões em questões globais de grande relevância.