Lula defende acordo UE-Mercosul com política de ganha-ganha

Notícias Políticas


No mesmo dia em que assumiu a presidência rotativa do Mercosul, com o desafio de finalizar o acordo entre a União Europeia e o bloco econômico, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva reiterou suas críticas às cláusulas impostas pelos europeus e discutiu sua abordagem para fechar o acordo.

Durante o programa “Conversa com o Presidente”, transmitido pelos canais oficiais da EBC, Lula afirmou: “Queremos fazer uma política de ganha-ganha. Não queremos uma política em que eles ganhem e nós percamos”.

Uma das cláusulas impostas pelos europeus exige que os países do Mercosul abram mão das compras governamentais, permitindo que empresas estrangeiras também participem de licitações e contratos. Lula destacou sua preocupação com essa exigência, afirmando: “Se abrirmos mão das empresas brasileiras em favor das estrangeiras, estaremos prejudicando médias e grandes empresas e acabando com muitos empregos”.

Esta foi a primeira vez que o presidente Lula realizou uma transmissão ao vivo em território estrangeiro. Ele concedeu a entrevista no Hotel Gran Meliá Iguazú, na Argentina, onde está hospedado. O local também é o palco da Cúpula de Chefes e Chefes de Estado do Mercosul e países associados ao bloco.

Fonte: otempo

Um outro desafio a ser enfrentado está relacionado à preservação do meio ambiente. O Parlamento Europeu impôs restrições caso os países não cumpram as metas do Acordo de Paris.

Lula reiterou sua posição de que ninguém no mundo tem autoridade moral para discutir com o Brasil sobre energia limpa. Ele reconheceu que a política ambiental do ex-presidente Jair Bolsonaro prejudicou a imagem do país internacionalmente, especialmente em questões como desmatamento e proteção dos povos indígenas.

Fonte: CNN Brasil

O presidente destacou a necessidade de negociar com os líderes internacionais para chegar a um consenso sobre as cláusulas do acordo. Ele enfatizou a importância de evitar que um parceiro estratégico coloque uma espada na cabeça do outro durante as negociações.