Padilha rejeita mudança política no Ministério da Saúde e defende “quadro técnico”

Notícias Políticas

O ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, rejeitou a possibilidade de uma troca política no Ministério da Saúde, em meio à pressão do Centrão para ocupar a pasta comandada por Nísia Trindade. Padilha destacou que o presidente Lula sempre defendeu uma indicação técnica para o Ministério da Saúde desde a formação do governo. Em entrevista à GloboNews, ele ressaltou que Lula nunca abriu espaço para discussões partidárias sobre a composição do ministério.

Fonte: UOL

O ministro Padilha ressaltou que existem outras pastas no governo onde as indicações políticas são permitidas, seguindo o modelo adotado em democracias. No entanto, ele deixou claro que no caso do Ministério da Saúde, a prioridade é a escolha de um perfil técnico. Além disso, Padilha mencionou que o governo irá se reunir com líderes do União Brasil para discutir a situação da ministra do Turismo, Daniela Carneiro, que solicitou desfiliação do partido e deve deixar o cargo. Ele destacou que está aberto à colaboração de um “conjunto de partidos políticos” que queiram colaborar com o governo.

Fonte: CNS-MS

O Ministério da Saúde tem despertado interesse por parte do presidente da Câmara, Arthur Lira, e de deputados do Centrão devido às negociações de cargos e emendas em troca de votos favoráveis às propostas do governo Lula. De acordo com parlamentares ouvidos pelo UOL, três motivos explicam essa cobiça: o orçamento disponível para investimentos nas cidades; a abrangência dos recursos na área da saúde; e os investimentos em hospitais, medicamentos e programas de saúde, que são considerados excelentes para fins de propaganda em períodos eleitorais. Além disso, os parlamentares também têm interesse nas emendas, pois ao ocuparem secretarias, aumentam sua influência na liberação desses recursos.