Polícia de Hong Kong emite mandados de prisão para oito ativistas no exterior

Notícias Policiais

A polícia de Hong Kong emitiu mandados de prisão para oito ativistas residentes no exterior, acusando-os de graves violações contra a segurança nacional. Entre as acusações estão conluio estrangeiro e incitação à secessão.

Em uma entrevista coletiva, a polícia identificou os ativistas como Nathan Law, Anna Kwok, Finn Lau, Dennis Kwok, Ted Hui, Kevin Yam, Mung Siu-tat e Yuan Gong-yi. A polícia também ofereceu recompensas por informações que levem à prisão dos acusados. Segundo Steve Li, do Departamento de Segurança Nacional da Polícia, esses ativistas encorajaram sanções com o intuito de destruir Hong Kong e intimidar autoridades.

Fonte: BR Investing

A polícia de Hong Kong emitiu alertas de procura e ofereceu recompensas no valor de 1 milhão de dólares de Hong Kong cada (cerca de 127,7 mil dólares) para os oito ativistas residentes no exterior. Além disso, a polícia informou que os bens dos acusados serão congelados sempre que possível e alertou o público para não fornecer apoio financeiro a eles. Os alertas acusam os ativistas de solicitar a imposição de sanções por parte de potências estrangeiras contra Hong Kong e a China.

Esses ativistas residem em vários países, incluindo Estados Unidos, Reino Unido e Austrália, sendo que Kevin Yam é cidadão australiano. Eles são procurados com base na lei de segurança nacional imposta por Pequim à ex-colônia britânica em 2020, após os longos protestos anti-China ocorridos no ano anterior que abalaram o centro financeiro internacional de Hong Kong.

Fonte: Wiki


Os Estados Unidos condenaram veementemente a medida tomada pela polícia de Hong Kong, conforme expresso por um porta-voz do Departamento de Estado, que afirmou que essa ação estabelece “um precedente perigoso que ameaça os direitos humanos e as liberdades fundamentais de pessoas em todo o mundo”.

O secretário de Relações Exteriores britânico, James Cleverly, também criticou a decisão de emitir os mandados de prisão, afirmando que o governo do Reino Unido “não tolerará qualquer tentativa da China de intimidar e silenciar indivíduos no Reino Unido e no exterior”. Essas declarações foram feitas em resposta à notícia dos mandados emitidos contra os ativistas residentes no exterior.

A preocupação internacional com a situação em Hong Kong e as implicações para os direitos e liberdades fundamentais continua a crescer.